Meio Ambiente

5 curiosidades sobre o resgate de 2500 pinguins em 2020

Marco foi registrado pelo maior programa de monitoramento de praias do mundo, financiado por nós

É um número Recorde de Pinguins?

Isso mesmo. Foi registrado esse número recorde de pinguins em nosso litoral. Para você ter ideia, em comparação com o mesmo período do ano passado, ocorreu um aumento de quase 30 vezes, alcançando o maior número dos últimos cinco anos, considerando dados até o mês de junho. De janeiro a junho desde ano foram encontrados 2.567 pinguins nas praias monitoradas (nos seis primeiros meses de 2019 foram resgatados 88 animais), segundo balanço realizado pelo Projeto de Monitoramento de Praias (PMP) da Bacia de Santos, executado pela Petrobras em atendimento de condicionante de licenciamento ambiental. 

E esse número ainda pode aumentar?

Os pesquisadores não sabem ainda o que motivou este aumento, mas acreditam que o número ainda irá cresce. Isso porque julho, agosto e setembro são os meses com maior número de ocorrências. Só na primeira semana de julho já foram registrados 353 pinguins, 176 apenas no estado do Rio de Janeiro.

De que espécies são?

Os animais são da espécie pinguim-de-magalhães (Spheniscus magellanicus), comum nas Ilhas Malvinas, Argentina e Chile. Para fugir das temperaturas frias, eles migram para o litoral brasileiro durante este período de inverno. O litoral paulista lidera o ranking junto com Santa Catarina, onde foram resgatados 1.161 e 1.153 respectivamente. 

Que projeto é esse que reabilita pinguins?

A recuperação e reabilitação especializada de pinguins e outras espécies marinhas que aparecem em nosso litoral é realizada pelo Projeto de Monitoramento de Praias, financiado pela Petrobras para o atendimento de condicionante do licenciamento ambiental federal. Ele está presente em 10 estados e cobre mais de três mil quilômetros do litoral brasileiro. Atualmente são sete PMPs executados pela Petrobras. O programa é o maior do mundo no monitoramento de praias. 

Mas qual seria a sua importância?

O Projeto de Monitoramento de Praias desenvolve um papel fundamental, pois contribui para a geração de conhecimento científico sobre a biodiversidade marinha e colabora com os órgãos ambientais na conservação e na gestão ambiental. As equipes dos Projetos de Monitoramentos de Praias (PMPs), atuam diariamente no resgate de animais marinhos vivos debilitados. Muitos são encontrados machucados por embarcações, petrechos de pesca, afetados pelos resíduos sólidos ou até mesmo mortos. Todos os animais encontrados são avaliados e, quando necessário, são encaminhados para o atendimento veterinário. Após a estabilização do quadro clínico, o animal é ambientado para retornar à natureza. Antes, eles recebem uma marcação, que permitirá o seu acompanhamento científico, caso reapareçam em outra região. Os pinguins, por exemplo, recebem chips.  

Como você deve agir?

Caso você encontre algum pinguim — ou qualquer outro animal marinho — por favor siga essas recomendações: 

Primeiro de tudo: chame um órgão ambiental ou organizações como o Projeto de Monitoramento de Praias. Eles enviam veterinários especializados. Listamos alguns números ao final desse artigo. 

Não toque nele e nem leve para nenhum lugar, nem mesmo a sua casa. 

Não alimente ele com nada. 

Não precisa deixá-lo próximo a locais gelados. 

Telefones Importantes

Os Projeto de Monitoramento das Praias trabalham em parceira com as comunidades locais. Ao avistar baleias, lobos ou leões-marinhos, golfinhos, pinguins, aves e tartarugas marinhas nas praias, vivos ou mortos, a população deve acionar o PMP da sua região.  

PMP-BS Área SC/PR e Área SP – 0800 6423341 

PMP-BS Área RJ (Paraty a Saquarema) – 0800 9995151 

PMP-BC/ES (RJ) - 0800 0262828 

PMP-BC/ES (ES) - 0800 0395005 

PMP-SEAL (Piaçabuçu/AL até Conde/BA) - 08000-793434 ou (79) 9 9683-1971. 

PMP-RNCE (RN) - (84) 98843 4621  

PMP-RNCE (CE) - (85) 99800 0109 e 3113 2137 

#monitoramentoambiental #mar
Compartilhe