Meio Ambiente

Água que move a vida que move a água

Qual a relação entre a Teoria do Caos e a preservação do meio ambiente? A noção de que, de certa forma, tudo no mundo está interconectado, e que pequenas ações podem gerar grandes impactos.

Já a Teoria do Caos estuda a relação de causa e efeito entre os elementos que compõem sistemas complexos e imprevisíveis, como as previsões meteorológicas. É daí que vem o conceito do Efeito Borboleta, que os cientistas traduziram na imagem da borboleta que bate as asas num extremo do planeta e causa um tsunami no outro. Ou seja, até as menores alterações podem gerar consequências desproporcionais.

Com o ciclo da água não é diferente. A vegetação auxilia a infiltração da chuva no solo. O solo, por sua vez, alimenta o lençol freático e origina as nascentes dos rios. Uma paisagem preservada conserva a regularidade da vazão dos rios, porque nas épocas de mais chuvas, o solo absorve e armazena a água que vai alimentar as nascentes durante os meses de seca.

“A diversificação de culturas melhora a renda dos produtores, mantendo-os na terra. Essas ações, conduzidas de forma orgânica e ecológica, criam um link entre os produtores e os consumidores, produzindo um ciclo virtuoso em que o consumo de agroeconomia ajuda a manter nossos recursos hídricos”, completa.

O caminho das águas

Mas em regiões em que a copa florestal foi removida para dar lugar à pastagem, a chuva, em vez de ser absorvida, causa erosão do solo — o que pode levar ao desbarrancamento das margens e ao assoreamento dos rios. Uma cascata de eventos que pode contribuir para uma crise hídrica, como a que atingiu São Paulo em 2014. Ali o nível do principal conjunto de reservatórios da região metropolitana, o Sistema Cantareira, chegou a 5%.

Para evitar que as nossas torneiras sequem, é preciso aumentar a resiliência do sistema. Ou seja, não apenas evitar o desperdício, mas principalmente reverter o desmatamento e a degradação dos cursos d’água. É aí que entram iniciativas como o Projeto Semeando Água, do Instituto de Pesquisas Ecológicas (IPÊ), patrocinado pela Petrobras por meio do Programa Petrobras Socioambiental. Sua atuação se dá em oito municípios nas serras da Mantiqueira (MG) e da Cantareira (SP), justamente onde se forma o “corredor verde” que colabora para o abastecimento hídrico da região de São Paulo.

Conservação e restauração

Segundo Alexandre Uezu, coordenador do projeto, o primeiro passo foi estabelecer um diagnóstico do uso do solo, a quantidade de florestas e pastos, e as principais culturas locais. O passo seguinte foi conscientizar e capacitar produtores rurais para desenvolver ações de reflorestamento no entorno de rios e nascentes, e de conservação do solo nas áreas de agropecuária por meio do manejo da pastagem ecológica, para a recuperação do pasto e do solo.

Num exemplo de Efeito Borboleta aplicado na prática, os impactos têm sido positivos tanto para a questão hídrica como para a biodiversidade e para as comunidades envolvidas. Com o apoio do projeto, os pequenos proprietários rurais já conseguiram aumentar a produtividade, ao mesmo tempo em que utilizam técnicas sustentáveis que contribuem para a provisão dos serviços ecossistêmicos, como o fornecimento de água, por meio da conservação da vegetação.

Uezu destaca a dimensão social do projeto.

Compartilhe