Link do botão
Ícone do botão Button Label
Ícone de carregamento

Sísmica 4D: tecnologia para enxergar abaixo do fundo do mar

Com tecnologia, a Petrobras consegue enxergar a mais de sete mil metros de profundidade, abaixo do fundo do mar. Conheça tudo sobre a sísmica 4D!

Atualizado em 09/02/2024

Postado em 27/12/2023

Texto copiado!

Nem magia, nem visão de raio X: conheça a sísmica 4D, tecnologia que nos permite descobrir o que existe bem abaixo do mar.

Desde a supervisão do Super-Homem até a espada justiceira dos Thundercats, são muitas as representações na ficção da vontade do ser humano de conseguir ver mais longe e melhor. Pois bem, e se a gente disser que o Cenpes, nosso centro de pesquisas, fez isso se tornar realidade?

Imagine conseguir enxergar através da matéria ou ver para além do fundo do mar, conseguindo distinguir coisas a mais de 7 mil metros de profundidade. Se você achou isso fascinante, então vai ficar bem impressionado com ela, a sísmica 4D.

O que é a sísmica 4D?

A sísmica nasce da união entre o infrassom — uma versão mais lenta do ultrassom, que serve para ver o que está debaixo do chão — e o sismógrafo, uma ferramenta utilizada para medir e registrar tremores de terra.

O infrassom é uma versão mais lenta do ultrassom e também funciona de maneira semelhante a ele: um tipo específico de onda sonora, capaz de atravessar objetos sólidos, é enviado em uma direção e, de acordo com o “eco” que ela gera ao ser refletido em alguma superfície, é possível criar uma espécie de imagem. Dessa forma, pode-se entender não apenas onde cada coisa está, mas também do que aquela superfície é feita.


Ou seja, ainda que seja usada para enxergar através de água, pedras e até camadas de sal, a ideia por trás da sísmica tem muito menos a ver com a visão de raio x do Super-Homem e muito mais com o sentido de ultrassom do super-herói Demolidor — ou de um morcego normal —, que permite que, com sua audição acima da média, ele possa localizar as coisas apenas pela maneira como o som “rebate” no ambiente ao seu redor.

Ilustrações mostrando frequências sonoras do infrassom, de até 20 hertz, e do ultrassom, acima de 20 mil hertz.
O ouvido humano percebe, em média, sons entre 20 e 20.000 Hz.

A sísmica 4D é, hoje, uma ciência tão bem desenvolvida que nos permite encontrar óleo e gás em um litoral com mais de 3,5 milhões de km², o equivalente a uma área maior do que a Índia!

Como funciona essa tal de sísmica 4D?

De maneira resumida, o processo funciona com um navio na superfície da água que gera o infrassom, projetando ondas capazes de atravessar objetos na direção do fundo do oceano. Quando essas ondas chegam lá, uma parte vai “refletir”, batendo e voltando na direção do navio, enquanto outra parte vai atravessar em direção a camadas mais fundas.

Dessa parte que atravessou, uma parte vai bater e voltar na próxima camada de terra, enquanto outra vai atravessar, e assim sucessivamente. Conforme todas essas ondas vão retornando ao navio, é possível calcular — pelo tempo que elas demoraram — a altura, o comprimento e a profundidade de cada camada e do que, provavelmente, ela é feita, construindo uma imagem digital do reservatório.

Quer entender como é que essa tecnologia tão complexa funciona na prática? A gente mostra! O canal Manual do Mundo, em parceria com a Petrobras, fez um vídeo explicando não só como funciona a sísmica 4D no dia a dia, mas também falando sobre o pré-sal e outros aspectos da nossa ciência!

Qual é a diferença entre as sísmicas 4D e 3D?

No final dos anos 1980, a tecnologia exploratória evoluiu com o formato 3D, desenvolvido na nossa Bacia de Campos. Como o nome já indica, a sísmica 3D nos permitia usar ondas sonoras para formar “mapas” do solo com as três dimensões já citadas aqui: altura, comprimento e profundidade.

Com a sísmica 4D, tecnologia também desenvolvida e patenteada por nós, conseguimos trabalhar com mais uma dimensão: o tempo. Ao comparar duas imagens obtidas em momentos diferentes, conseguimos identificar as mudanças que possam ter ocorrido no local e que sinalizam, por exemplo, movimentações de reservas de óleo e gás.

Ilustração mostrando o funcionamento da aquisição sísmica 3D.
Funcionamento da aquisição sísmica 3D, desenvolvida na nossa Bacia de Campos, nos anos 1980.

 

Ilustrações mostrando funcionando de aquisições sísmicas 4D e 3D da Petrobras.
Com a tecnologia 4D, adicionamos uma nova dimensão às imagens sísmicas: o tempo.

 

Além da sísmica 4D, quais outras tecnologias a Petrobras usa no pré-sal?

A sísmica 4D é apenas uma das muitas inovações tecnológicas que desenvolvemos aqui, na Petrobras, e que usamos nos campos de pré-sal para oferecer ao Brasil a energia que ele precisa. Também é por lá que temos o maior programa de captura, uso e armazenamento de CO2 do mundo, que reduz as emissões de gases de efeito estufa e aumenta a produtividade dos poços de petróleo.

Mas talvez você se pergunte: por que investir em tecnologias para produzir petróleo no pré-sal? Qual é a diferença, afinal de contas? É porque assim conseguimos gerar mais energia e menos impactos ao meio ambiente. Para se ter uma ideia, nossos poços de petróleo no pré-sal são altamente produtivos e também têm a menor emissão de poluentes do setor, até 70% menor do que a média mundial!

Se usamos a sísmica 4D para enxergar além do solo marítimo, é também com ajuda dela e de outras tecnologias que conseguimos enxergar novas oportunidades para o futuro da nossa energia. E convidamos você a fazer o mesmo.

Venha com a gente descobrir tudo sobre o pré-sal e as tecnologias utilizadas em um mergulho interativo em águas ultraprofundas, de 7.000 metros de profundidade!

Notas

Leia também

Link da Notícia 40036
Fotografia de robô da Petrobras que opera em temperaturas de até 120ºC.
Inovação
Onde o homem não chega: conheça o robô que opera em temperaturas de até 120ºC
Artigo
3 min
Link da Notícia 40050
Três colaboradores da Petrobras movendo equipamento submarino em oficina de manutenção.
Inovação
Conheça seis equipamentos submarinos da Petrobras
Artigo
5 min
Link da Notícia 40093
Inovação
Tipos de navio: conheça os principais modelos da Transpetro
Artigo
4 min
Link da Notícia 40110
Robô de inspeção submarino
Inovação
Conheça nosso robô para inspeções em dutos submarinos
Artigo
5 min
Link da Notícia 40128
Foto de parte elétrica de supercomputador.
Inovação
O que são os supercomputadores e quais são os impactos tecnológicos?
Artigo
4 min
Link da Notícia 40145
Tecnologia HISEP da Petrobras
Inovação
Descubra tecnologias que tornam a Petrobras mais sustentável
Artigo
5 min
Link da Notícia 40160
FPSO Anita Garibaldi na Bacia de Santos. Fonte: Agência Petrobras
Inovação
Plataforma FPSO: você sabe o que é e como funciona?
Artigo
4 min
Link da Notícia 40173
Inovação
Inovação aberta é o futuro. Mas você sabe o que é?
Artigo
6 min
Link da Notícia 40192
Programador concentrado programando em linguagem LUA. Ele está olhando para a tela do computador.
Inovação
O que Street Fighter IV, Photoshop, o Angry Birds e a Petrobras tem em comum?
Artigo
3 min




Canais

Acessibilidade

Faça uma busca:

Buscar

Sugestões de busca

Link de exemplo
Ícone do botão /documents/d/nossa-energia/chevronright-svg?download=true Exibir mais resultados
Ícone de carregamento

Mais pesquisados

Preço dos combustíveis

Pré-Sal

Time Petrobras

Escolha um Canal:

Acessibilidade

Alto-Contraste

Desligado

Ligado

Texto Grande

Desligado

Ligado

Idioma:

Selecione um idioma: