Título

Link do botão
Ícone do botão Button Label
Ícone de carregamento

Sísmica 4D: tecnologia para enxergar abaixo do fundo do mar

Com tecnologia, a Petrobras consegue enxergar a mais de sete mil metros de profundidade, abaixo do fundo do mar. Conheça tudo sobre a sísmica 4D!

Atualizado em 28/03/2024

Postado em 27/12/2023

Texto copiado!

Nem magia, nem visão de raio X: conheça a sísmica 4D, tecnologia que nos permite descobrir o que existe bem abaixo do mar.

Desde a supervisão do Super-Homem até a espada justiceira dos Thundercats, são muitas as representações na ficção da vontade do ser humano de conseguir ver mais longe e melhor. Pois bem, e se a gente disser que o Cenpes, nosso centro de pesquisas, fez isso se tornar realidade?

Imagine conseguir enxergar através da matéria ou ver para além do fundo do mar, conseguindo distinguir coisas a mais de 7 mil metros de profundidade. Se você achou isso fascinante, então vai ficar bem impressionado com ela, a sísmica 4D.

O que é a sísmica 4D?

A sísmica nasce da união entre o infrassom — uma versão mais lenta do ultrassom, que serve para ver o que está debaixo do chão — e o sismógrafo, uma ferramenta utilizada para medir e registrar tremores de terra.

O infrassom é uma versão mais lenta do ultrassom e também funciona de maneira semelhante a ele: um tipo específico de onda sonora, capaz de atravessar objetos sólidos, é enviado em uma direção e, de acordo com o “eco” que ela gera ao ser refletido em alguma superfície, é possível criar uma espécie de imagem. Dessa forma, pode-se entender não apenas onde cada coisa está, mas também do que aquela superfície é feita.


Ou seja, ainda que seja usada para enxergar através de água, pedras e até camadas de sal, a ideia por trás da sísmica tem muito menos a ver com a visão de raio x do Super-Homem e muito mais com o sentido de ultrassom do super-herói Demolidor — ou de um morcego normal —, que permite que, com sua audição acima da média, ele possa localizar as coisas apenas pela maneira como o som “rebate” no ambiente ao seu redor.

Ilustrações mostrando frequências sonoras do infrassom, de até 20 hertz, e do ultrassom, acima de 20 mil hertz.
O ouvido humano percebe, em média, sons entre 20 e 20.000 Hz.

A sísmica 4D é, hoje, uma ciência tão bem desenvolvida que nos permite encontrar óleo e gás em um litoral com mais de 3,5 milhões de km², o equivalente a uma área maior do que a Índia!

Como funciona essa tal de sísmica 4D?

De maneira resumida, o processo funciona com um navio na superfície da água que gera o infrassom, projetando ondas capazes de atravessar objetos na direção do fundo do oceano. Quando essas ondas chegam lá, uma parte vai “refletir”, batendo e voltando na direção do navio, enquanto outra parte vai atravessar em direção a camadas mais fundas.

Dessa parte que atravessou, uma parte vai bater e voltar na próxima camada de terra, enquanto outra vai atravessar, e assim sucessivamente. Conforme todas essas ondas vão retornando ao navio, é possível calcular — pelo tempo que elas demoraram — a altura, o comprimento e a profundidade de cada camada e do que, provavelmente, ela é feita, construindo uma imagem digital do reservatório.

Quer entender como é que essa tecnologia tão complexa funciona na prática? A gente mostra! O canal Manual do Mundo, em parceria com a Petrobras, fez um vídeo explicando não só como funciona a sísmica 4D no dia a dia, mas também falando sobre o pré-sal e outros aspectos da nossa ciência!

Qual é a diferença entre as sísmicas 4D e 3D?

No final dos anos 1980, a tecnologia exploratória evoluiu com o formato 3D, desenvolvido na nossa Bacia de Campos. Como o nome já indica, a sísmica 3D nos permitia usar ondas sonoras para formar “mapas” do solo com as três dimensões já citadas aqui: altura, comprimento e profundidade.

Com a sísmica 4D, tecnologia também desenvolvida e patenteada por nós, conseguimos trabalhar com mais uma dimensão: o tempo. Ao comparar duas imagens obtidas em momentos diferentes, conseguimos identificar as mudanças que possam ter ocorrido no local e que sinalizam, por exemplo, movimentações de reservas de óleo e gás.

Ilustração mostrando o funcionamento da aquisição sísmica 3D.
Funcionamento da aquisição sísmica 3D, desenvolvida na nossa Bacia de Campos, nos anos 1980.

 

Ilustrações mostrando funcionando de aquisições sísmicas 4D e 3D da Petrobras.
Com a tecnologia 4D, adicionamos uma nova dimensão às imagens sísmicas: o tempo.

 

Além da sísmica 4D, quais outras tecnologias a Petrobras usa no pré-sal?

A sísmica 4D é apenas uma das muitas inovações tecnológicas que desenvolvemos aqui, na Petrobras, e que usamos nos campos de pré-sal para oferecer ao Brasil a energia que ele precisa. Também é por lá que temos o maior programa de captura, uso e armazenamento de CO2 do mundo, que reduz as emissões de gases de efeito estufa e aumenta a produtividade dos poços de petróleo.

Mas talvez você se pergunte: por que investir em tecnologias para produzir petróleo no pré-sal? Qual é a diferença, afinal de contas? É porque assim conseguimos gerar mais energia e menos impactos ao meio ambiente. Para se ter uma ideia, nossos poços de petróleo no pré-sal são altamente produtivos e também têm a menor emissão de poluentes do setor, até 70% menor do que a média mundial!

Se usamos a sísmica 4D para enxergar além do solo marítimo, é também com ajuda dela e de outras tecnologias que conseguimos enxergar novas oportunidades para o futuro da nossa energia. E convidamos você a fazer o mesmo.

Venha com a gente descobrir tudo sobre o pré-sal e as tecnologias utilizadas em um mergulho interativo em águas ultraprofundas, de 7.000 metros de profundidade!

Notas
;

Leia também

Link da Notícia 42957 Três colaboradores da Petrobras movendo equipamento submarino em oficina de manutenção.
Inovação
Conheça seis equipamentos submarinos da Petrobras
Artigo
5 min
Link da Notícia 42961 Tecnologia sendo aplicada para avaliar o relevo do Campo de Búzios.
Inovação
Uma receita premiada: o que as tecnologias pioneiras do campo de Búzios têm em comum com a gastronomia?
Artigo
7 min
Link da Notícia 42969
Inovação
Tipos de navio: conheça os principais modelos da Transpetro
Artigo
4 min
Link da Notícia 42973 Imagem de perfil de rosto de pessoa com linhas em 3D.
Inovação
As mil e uma utilidades do scanner 3D – e como essa tecnologia está cada vez mais acessível
Artigo
6 min
Link da Notícia 42975 Foto de colaborador da Petrobras utilizando tecnologia Sísmica 4D.
Inovação
Sísmica 4D: tecnologia para enxergar abaixo do fundo do mar
Artigo
5 min
Link da Notícia 42980 Fotografia de carro andando em asfalto. A imagem representa uma estrada.
Inovação
Asfalto sustentável: estamos pavimentando caminhos para a transição energética
Artigo
2 min
Link da Notícia 42987 Foto de parte elétrica de supercomputador.
Inovação
O que são os supercomputadores e quais são os impactos tecnológicos?
Artigo
4 min
Link da Notícia 42993 Robô de inspeção submarino
Inovação
Conheça nosso robô para inspeções em dutos submarinos
Artigo
5 min




Canais

Acessibilidade

Faça uma busca:

Buscar

Sugestões de busca

Link de exemplo
Ícone do botão /documents/d/nossa-energia/chevronright-svg?download=true Exibir mais resultados
Ícone de carregamento

Mais pesquisados

Preço dos combustíveis

Pré-Sal

Time Petrobras

Escolha um Canal:

Acessibilidade

Alto-Contraste

Desligado

Ligado

Texto Grande

Desligado

Ligado

Idioma:

Selecione um idioma: