Título

Link do botão
Ícone do botão Button Label
Ícone de carregamento

Confira as cinco etapas de como é feita a gasolina

Descubra o caminho percorrido entre a descoberta de uma reserva de petróleo e a distribuição do combustível.

Atualizado em 01/04/2024

Postado em 01/04/2024

Texto copiado!

Há pouco mais de quinze anos, nós, brasileiros, assistíamos à descoberta daquela que iria se tornar a mais importante província petrolífera em águas profundas da indústria: o pré-sal.

Era a vitória da persistência sobre desafios aparentemente intransponíveis impostos pela natureza. Afinal, explorar reservatórios até então desconhecidos, nas profundezas do oceano, em condições únicas de temperatura e pressão, a 300 km da costa, estava longe de ser trivial.

O pré-sal foi uma conquista alcançada à base de avanços tecnológicos impressionantes e pioneiros, que ampliaram as fronteiras do conhecimento em águas profundas e ultraprofundas.

Dos poços de petróleo até chegar aos postos: como é feita a gasolina?

Toda a expertise técnica não se faz presente apenas na descoberta da jazida de petróleo, mas se estende a todas as fases dessa jornada da energia: exploração e produção de petróleo, logística e refino, até chegar à distribuição do combustível nos postos. 

Mas você sabe o que está por trás de cada uma dessas etapas? Venha com a gente descobrir como é feita a gasolina!

Infográfico 5 etapas da gasolina

1. Exploração: tudo começa com a busca pelo petróleo

A gasolina vendida hoje inicia sua jornada vários anos antes, quando se adquire uma área exploratória nova. O tempo médio entre a descoberta do petróleo e o início da produção é de cinco anos! E isso acontece com muito estudo e avaliação técnica.

Esse trabalho se apoia numa massa gigantesca de dados geofísicos e geológicos que vai nortear o trabalho dos exploracionistas para encontrar petróleo. O esforço exploratório consiste, de forma bem simplificada, no trabalho de prospecção, perfuração e identificação das áreas petrolíferas.

Para apoiar essas atividades, os geocientistas contam com o auxílio das mais avançadas tecnologias, incluindo um conjunto de supercomputadores de alto desempenho com capacidade de processar um grande volume de dados – equivalente ao poder computacional, em média, de 1,5 milhão de smartphones. 

A inteligência artificial (IA) é outra tecnologia que abre caminho para as conquistas exploratórias. Além de aprimorar a resolução das imagens sísmicas, a IA vem permitindo a construção de soluções geológicas orientadas aos dados, nos revelando com maior exatidão as características dos reservatórios e de como os fluidos se movimentam lá dentro.

E isso tudo em muito menos tempo: enquanto uma interpretação manual dos dados durar meses, a tecnologia tem o poder de reduzir este tempo de entrega para poucos dias.

2. Desenvolvimento da produção: projetando soluções para campos desafiadores

Se reservas forem identificadas, enfrentamos a complexidade de desenvolver a área descoberta, instalando equipamentos submarinos e unidades offshore a centenas de quilômetros da costa, em águas profundas e ultraprofundas.

Essa etapa exige a concepção do tipo de plataforma mais adequada para o campo,  envolvendo ainda uma vasta gama de fornecedores, que empregam capital de risco nessa complexa empreitada. Para se ter uma ideia do gigantismo dessas plataformas de produção, elas podem pesar o equivalente a até 240 Boeings 747 e ter a largura de até 3 campos de futebol!

3. Produção: plataformas que produzem, armazenam e transferem petróleo

Após a instalação dos equipamentos e unidades na região, surge um novo desafio: operar diariamente um ativo de produção, atendendo a padrões internacionais rigorosos e processando volumes significativos de petróleo e gás.

As plataformas FPSO, predominantes no Brasil, são projetadas para grandes campos e mais adequadas para o cenário de águas profundas. Elas entram em operação quando um campo já descoberto está pronto para a produção.

São essas plataformas que, interligadas aos poços produtores por meio de tubos flexíveis (chamados “risers”), extraem o petróleo do fundo do mar. Em seguida, as FPSO também levam o petróleo à superfície, onde fazem a separação dos demais componentes, como água e gás.

Plataforma FPSO da Petrobras, que desempenha um papel fundamental em como é feita a gasolina.
Plataforma FPSO da Petrobras em operação.

Mas essas unidades de produção representam apenas a ponta do iceberg de um aparato tecnológico complexo, conhecido como "arranjos submarinos". Nas profundezas dos nossos oceanos, uma cidade submarina opera incessantemente, 365 dias por ano, 24 horas por dia. 

No lugar de prédios, casas e carros, a gente encontra um vasto mundo de tubulações, risers, árvores de natal molhadas, ancoragens, estacas e um conjunto abrangente de equipamentos — monitorados em tempo real, o tempo todo, dentro dos mais rigorosos padrões internacionais técnicos e de segurança.

4. Logística eficiente: garantindo o fluxo de petróleo do mar às refinarias

Para transformar o petróleo em energia para o público, uma logística estruturada é essencial. No nosso caso, operamos uma malha de oleodutos e gasodutos de 14 mil km de extensão — o equivalente à distância entre Rio de Janeiro a Melbourne, na Austrália! Diariamente, essa coordenação precisa assegurar que operadores e materiais cheguem às plataformas.

No transporte e armazenamento, a parceria crucial com nossa subsidiária, a Transpetro, se destaca. Juntos, operamos uma extensa malha de oleodutos e gasodutos, contando com navios-petroleiros próprios ou afretados. Em terminais terrestres e aquaviários, armazenamos produtos antes de encaminhá-los para refinarias ou exportação.

5. Refino: transformando o petróleo em gasolina de alta qualidade

Nas refinarias, o petróleo é separado em frações que incluem gasolina, diesel, gás de cozinha e outros derivados. Este refinamento ocorre em três etapas fundamentais: separação, conversão e tratamento.

Separação

Durante a separação, o petróleo é aquecido a altas temperaturas até evaporar. O vapor resultante volta ao estado líquido em diferentes níveis dentro da torre de destilação. Cada nível coleta um subproduto específico do petróleo, como a gasolina. 

Conversão

As partes mais pesadas do petróleo são direcionadas para a conversão, onde são transformadas em moléculas menores, gerando subprodutos, incluindo a gasolina. Esse processo otimiza a utilização do petróleo. 

Tratamento

Na etapa final, a retirada significativa de enxofre e outros resíduos é realizada. Essa abordagem garante a produção de gasolina com ultrabaixo teor de enxofre, conhecida como tipo A. Essa gasolina é então distribuída das refinarias para as distribuidoras em todo o Brasil, que desempenham o papel crucial de levar esses produtos aos consumidores finais. 

Este ciclo de refinamento meticuloso não apenas garante a qualidade, mas também reforça o compromisso com produtos com redução de emissões.

 Combustíveis de qualidade e processos sustentáveis: como a Petrobras está inovando?

Ao explorarmos as cinco etapas fundamentais de como é feita a gasolina, mergulhamos em um universo que vai além do simples abastecimento nos postos de gasolina. Toda essa jornada, que envolve muita inovação e tecnologia, acontece diariamente para garantir a produção de combustíveis de melhor qualidade e fornecer a energia que o Brasil precisa.

E essa jornada não termina por aqui! Buscando reduzir as nossas emissões e desenvolver produtos mais sustentáveis, também estamos investindo na descarbonização de nossas operações. Um bom exemplo disso é a nossa gasolina Podium, que tornou-se a única gasolina carbono neutro do Brasil!

Conheça mais sobre nossa Jornada da Energia.

Notas
;

Leia também

Link da Notícia 43791 Pessoa com as mãos entrelaçadas em sala de tribunal enquanto discute novo acordo
Nossas Atividades
O que é Cessão Onerosa? Tire todas as suas dúvidas!
Artigo
5 min
Link da Notícia 43795 Fotografia de bomba de gasolina abastecendo carro.
Nossas Atividades
Especificação da gasolina: tire todas as suas dúvidas
Artigo
3 min
Link da Notícia 43799 Plataforma de exploração e produção de gás natural em mar aberto
Nossas Atividades
A descoberta de um campo de petróleo e gás em 5 etapas
Artigo
3 min
Link da Notícia 43806 Foto da plataforma de perfuração SS-69, da Petrobras.
Nossas Atividades
Poços de petróleo: o que são, quais tipos e como nomeá-los
Infográfico
5 min
Link da Notícia 43810 Navio-plataforma FPSO Cidade de Angra dos Reis, da Petrobras, no campo de Tupi.
Nossas Atividades
Tupi: conheça 8 curiosidades sobre o campo mais produtivo do pré-sal
Artigo
7 min
Link da Notícia 43814 Foto aérea de um rio cortando a floresta amazônica, representando os compromissos ambientais da Petrobras no Brasil.
Nossas Atividades
Conheça os compromissos ambientais da Petrobras para reduzir a pegada de carbono
Artigo
5 min
Link da Notícia 43817 Uma menina criança e outra menina adolescente, ambas negras, fazendo experimentos científicos.
Nossas Atividades
Futura cientista: 6 dicas para estimular mulheres na ciência
Artigo
4 min
Link da Notícia 43819
Nossas Atividades
Confira as cinco etapas de como é feita a gasolina
Infográfico
6 min




Canais

Acessibilidade

Faça uma busca:

Buscar

Sugestões de busca

Link de exemplo
Ícone do botão /documents/d/nossa-energia/chevronright-svg?download=true Exibir mais resultados
Ícone de carregamento

Mais pesquisados

Preço dos combustíveis

Pré-Sal

Time Petrobras

Escolha um Canal:

Acessibilidade

Alto-Contraste

Desligado

Ligado

Texto Grande

Desligado

Ligado

Idioma:

Selecione um idioma: